FASCINANTE

30/01/2014

Encontra O Verso & O Poeta Sempre Encontra O Verso


O poeta quer o verso,
que verse sobre amor...
O amor é controverso,
quando não se encontra o verso,
e tem-se da medalha, o reverso...
Não serei perverso,
e a rima eu atravesso,
para poder beijar você...
Em prosa e verso,
venho com sucesso,
sem só sexo desejar,
mas querendo te amar...

Marcial Salaverry

 Se o poeta quer o verso
que verse sobre amor,
fica chateado e porque não intrigado,
quando não encontra o verso.
Certamente ele encontrará outra rima,
para poder lhe dizer que te ama...
que só quer teu carinho sincero...
O sexo fica para mais tarde,
sem pressa para que percebas,
como é gostoso se entregar totalmente...
Mas por enquanto ele só quer te amar...
Com um amor poético,
que não precisa ser frenético...

Beki Bassan

Existirá O Casamento Ideal?

Para que um casamento sobreviva aos anos,
é preciso que haja carinho, respeito, amizade, consideração
e muito diálogo...
Ósculos e amplexos,
Marcial
*****

 Se existirá ou não o casamento perfeito, é algo muito relativo, mas a grande verdade é que sempre será o ideal de todos aqueles que casam, ou que passam a viver juntos, fazer o chamado "casamento ideal", e existem diversas maneiras para que um casamento seja assim considerado. Há que se considerar ainda que nos dias de hoje, basta que os parceiros vivam juntos para que possam se considerar casados, mas, modernismos à parte, vamos considerar o que pode ser chamado de casamento perfeito, ou ideal, como queiram...

Na teoria, é aquele casal que mantém um relacionamento estável, que vive junto, sem maiores brigas ou discussões.  Mas será que vivem bem mesmo, ou apenas mantém as aparências, ostentando uma fachada de amor e carinho, mas no recesso do lar não é bem assim. Podem existir insatisfações sufocadas, e estas são as mais perigosas, pois quando vem à tona, arrasam com tudo.

Nem sempre o fato de estar junto, quer dizer que exista ainda o mesmo carinho, o mesmo amor. O amor pode ser eterno, apenas enquanto ainda é terno, enquanto existe respeito, carinho, diálogo, amizade, enfim, são muitos os pontos necessários para que o casamento seja aquele que poderá ser chamado de ideal.

Existem alguns fatores que podem determinar uma espécie de cisão interna, e um deles ocorre quando uma das partes (geralmente a mulher), sofreu uma espécie de amputação de sua personalidade, para poder se adaptar à personalidade de seu companheiro.  Essa anulação, sendo mantida por muitos anos, poderá causar muitos problemas para o futuro,  pois um amor para ser verdadeiro tem que haver o casamento das almas, e não apenas casar na igreja e cartório. Não é apenas isso, ambos tem que se encaixar, precisam entender que é uma parceria, e o que é uma real parceria, quando os dois devem ter os mesmos direitos, e as mesmas obrigações.

Casar é um encaixe, como a palavra já diz, é uma junção, mas como somos seres humanos, é difícil haver um encaixe naturalmente perfeito, claro que é preciso haver uma adaptação entre ambos, cortar as arestas, para haver um ajuste, uma adequação, e só assim haverá o encaixe, e é preciso haver amor, carinho, amizade, cumplicidade com certeza estas duas peças, homem e mulher, que vão se casar de verdade, e sendo assim, dificilmente vão se separar... Só que muitas vezes o homem se esquece de fazer sua parte, obrigando a mulher a adequar-se à vida dele, fazendo com que   ela fique completamente podada, omitindo sua personalidade, para se encaixar na vida dele  como uma luva...

Pode acontecer que um dia ela se cansa por algum motivo, e infidelidade é um deles.  Então se rebela, quer começar a ter também seus direitos, e viver sua vida, e ele fica perguntando “o que poderá estar faltando pra você?  Você tem tudo que uma mulher precisa ..." mas o fato é que não é exatamente assim, ela pode ter supridas suas necessidades materiais, mas falta o carinho, o direito à vida, o respeito pela condição humana.

E quando se chega à conclusão de que essa é a verdade, e a mulher se cansa de ser apenas a "Amélia, mulher de verdade", pode acontecer uma revolta íntima, e ela quer ser ela mesma, e tudo pode findar, e apenas por falta de diálogo, e de uma melhor compreensão para acertar as arestas que vinham surgindo.

Infelizmente essa maneira machista de pensar ainda predomina, e nem sempre o homem percebe que ele tem mais condições de ser homem caminhando lado a lado com a parceira, do que a subjugando, seja pelo físico, seja pelo financeiro.  É muito mais interessante e gratificante, termos a nosso lado uma companheira que está conosco por nos amar com sentimento, com carinho, dentro de sua personalidade, do que termos alguém que vive conosco, por não sentir-se em condições de viver sozinha, ou então por causa dos filhos, ou mesmo apenas por aquele velho e superado conceito do “ruim com  ele, pior sem ele”.  

Sempre é tempo de rever velhos conceitos, de uma adaptação à vida. É preciso haver basicamente um respeito mútuo entre os parceiros. Não pode e nem deve haver aquela sensação de predomínio, do quem manda em casa.
Uma das expressões mais rançosas que sempre escutei maridos machistas falarem, foi a tradicional: “Mulher minha não faz isto ou aquilo... Só faz o que eu quero.”

Um dia a casa cai, crianças, e quando a “mulher tua” acordar, as conseqüências poderão ser desagradáveis, pois aí então ela será apenas dela...

A coisa mais importante para que um casamento seja realmente o "casamento ideal", é uma parceria onde haja respeito, amizade, carinho, e principalmente muito diálogo, possibilitando uma agradável seqüência de LINDOS DIAS.

Marcial Salaverry

29/01/2014

Entendendo A Vida Feliz

Estando em Paz com nossa alma, poderemos ter uma vida feliz...
Osculos e amplexos,
Marcial
******
Nem todos são capazes de entender que se pode encontrar a felicidade, e assim, podendo ter uma vida feliz, e costumam questionar a felicidade, dizendo não entender ser possível que, dentro da atual situação sócio econômica do País, alguém possa estar "vivendo bem a vida", ou mesmo que possa ter sempre um pensamento positivo e otimista, quando tudo em volta parece ruir, quando se fala em atentados a bombas, em sequestros, estupros, guerras, guerrilhas, corrupção, mensalão, e não sei mais que tragédias, além da ação nefasta dos politicos.
Para responder a tal questionamento,  em primeiro lugar, desejo salientar que nada disso ocorre por minha culpa. Tenho a consciência absolutamente tranquila, pois não faço parte de certos grupos que se dedicam a baderna, e tampouco que não tenho culpa de coisas que acontecem pelo mundo, como o caso da "vaca louca" por exemplo, e sequer do fato da vaca ter ficado louca. Bem, talvez saiba o porquê disso ter acontecido, e nesse caso,  tenha alguma responsabilidade, pois na última vez que estive frente a frente com uma simpática representante das ruminantes fêmeas (pode não ser politicamente correto chamá-la de "vaca"), indaguei quanto à possibilidade dela fornecer leite desnatado. Talvez a bichinha tenha enlouquecido aí...
Apesar do absurdo questionamento, vou tentar falar sério, e assim, acredito que a melhor maneira de se viver seja essa, ou seja, procurando dar um enfoque otimista aos problemas. Claro que enfrento certas dificuldades. Afinal, sou mais um entre os aposentados que o INSS fica torcendo para ver no obituário. Se depender de mim, vai demorar muito para acontecer.
O segredo está em viver dentro das possibilidades, procurar se adequar à situação, tentar fazer alguma coisa para melhorar. Uma coisa é certa, ficar de mau humor, e viver preocupado com a flexibilidade do rabo da lagartixa, ou tentando entender a quadratura do círculo, não vai resolver a situação.
Então não adianta se preocupar com o desmatamento da Amazônia, por exemplo. É algo que tem de ficar a cargo dos experts do assunto. Nós só podemos congestionar a Internet com circulares clamando contra. Mas que será resolvido pelos técnicos do assunto, ou não será resolvido por ninguém, e a coisa vai continuar, independendo de eu ficar ou não aborrecido com o fato. Claro que isso me incomoda profundamente, pois sou tiete da Natureza, e não gosto de vê-la violentada, assim como abomino a violência contras as pessoas e os animais, mas tenho certeza de que não depende de alguma ação minha modificar tal situação. O máximo que posso fazer é protestar, e o faço veementemente, claro que pacificamente. Mas não vai resolver nada se eu ficar mal humorado por causa disso, ou sair por aí incendiando onibus ou quebrando tudo, mesmo que acabe sendo vítima de algo.
É uma solução simplista? É. É a tática do avestruz, de enterrar a cabeça na areia? Até pode ser. Mas prefiro preocupar-me com problemas mais tangíveis, em ajudar pessoas que precisam de uma ajuda, nem que seja moral. Mas de coisas que posso ajudar realmente a resolver. Não, não sei como resolver a crise da Chechenia, nem tampouco sei onde se realmente  Bin Laden morreu, nem qual a próxima viagem do Lula, ou quando vai haver algum governo honesto neste País.
Se um problema surge, vamos tratar de manter a cabeça fria, para encontrar a solução.
Se a qualquer crise nos desesperarmos, sempre será mais difícil contorná-la. Isto vale também para as famosas crises conjugais. Se eu já tive? Claro, em 54 anos de vida em comum, sempre alguma coisa tem que haver, sempre algumas arestas tem que ser aparadas.
Justamente nessas ocasiões de crise, que temos de manter a cabeça fria, a serenidade, e até mesmo o bom humor. Isso não é fácil? Claro que não é. Mas é aí que está o mérito das pessoas. A irritação, o desespero fazem com que se perca o domínio da situação. E tudo se complica.
Bem, espero que tenha sanado essa dúvida. Esse é o motivo porque estou "de bem com a vida". Simplesmente porque procuro vivê-la dentro de minhas possibilidades, e nessas condições, sempre procuro, seja com conselhos, seja com palavras amigas, confortar àqueles que me procuram. Procuro viver em paz com meu interior, e com o meu Amigão.
Se servir de exemplo, ótimo, pois creio ser esta a melhor maneira de se viver, procurando não prejudicar ninguém, e ajudando quando possível for.
Crianças, de coração aberto, desejo que todos tenham UM LINDO DIA FELIZ, de bem com a vida...

Marcial Salaverry


28/01/2014

O Sempre Indefinível Amor

Podemos estar de acordo nessa assertiva, que diz ser
o amor algo indefinível...
Então, é bem melhor tratar de vive-lo, ao invés de
tentar defini-lo...
Realmente o amor é indefinível,
e nesse mistério incrível,
reside seu mais autentico efeito,
que de um jeito perfeito,
nossos sentimentos manipula,
e assim, o coração pula...
Sentimentos são a voz da alma,
que ora se excita, ora se acalma,
e que assim sabe se expressar,
indicando quando estamos a amar,
ou quando simplesmente a sonhar,
pois é sonhando,
que a alma descobre as delícias do amor,
sentindo na vida um real calor...
O amor, sabemos senti-lo,
podemos saber vive-lo,
mas jamais poderemos defini-lo...
Só cabe uma definição...
Ele mexe com o cérebro e o coração...
 Marcial Salaverry

UM TEMA NOVO, CONQUISTA DO AMOR

Conquistar um amor, até que não é dificil...
Apenas, é preciso saber mantê-lo, depois...
Osculos e amplexos,
Marcial

 Como conquistar o amor sempre será um assunto inesgotável, por ser algo de muito interesse para todos...

Por vezes chegamos a acreditar já havermos falado tudo o que se poderia falar sobre essa coisa maravilhosa que é o Amor, e eis que aparece algo escrito há muito tempo, que nos faz descobrir que ainda se pode falar muito sobre ele, pois é um assunto realmente inesgotável, tantas são suas facetas.

O autor dessa frase é o romancista Moliere, mostrando que o tema Amor sempre será atual:
 "O amor é um mestre admirável que nos ensina a sermos o que nunca fomos; e muitas vezes, com as suas lições, muda completamente, num instante, os nossos costumes..."

Efetivamente, quando se é atingido por suas setas certeiras, mudam-se conceitos, mudam-se modos de vida, muda-se a maneira de pensar, de encarar a vida.  Se for preciso, até a personalidade poderá ser mudada, bem como tudo o mais que se possa ser mudado para que as coisas se "conjuminem".  Muda-se até de cidade, de Estado ou de País, e futuramente, quiçá de planeta...

É verdadeiramente uma coisa muito mágica o amor, principalmente quando existe uma reciprocidade total e completa.   Aí sim vale a pena fazer qualquer coisa por ele.

Quando amamos de fato sempre procuramos ver os pontos de discordância com a pessoa amada, e procuramos ver o que se pode mudar para que haja uma coexistência pacífica.  E é muito importante ver as coisas sob esse prisma.

Então, logicamente se alguém tem um estilo de vida digamos, muito liberal, gostando de saídas noturnas, e certos passatempos em que o conjugue não irá se sentir bem, deverá e obviamente será de seu desejo mudar alguma coisa, para criar um ambiente de cordialidade em casa, evitando-se áreas de atrito. Se o amor existe, e vale a pena, porque não mudar alguns hábitos, que poderão ocasionar desentendimentos futuros?  Por que não abdicar de algumas noitadas, trocando esses programas pelo aconchego do lar, e da companhia da pessoa amada? 

Para que um amor dê certo, vingue e dure bastante tempo, essas acomodações são necessárias. Quando se  impõe mudanças, elas devem ocorrer.  Ambos os lados  devem ceder e mudar, em benefício do amor.

Na realidade, o amor nasce da atração entre duas pessoas, que se leram, ou que se viram, e se gostaram. Pronto, beleza pura, amam-se e serão felizes. Será tão simples?

Lógico que não. Pois se fosse assim tão simples, lindo, leve e solto, não teria graça nenhuma.

Muito mais importante do que se conquistar o amor, é a sua manutenção.  E esta só é conseguida com a convivência, que por sua vez depende do acerto de personalidades.

Cada um dos parceiros precisa ver no que é possível ceder e mudar, para que o acerto se verifique.

Ambos os lados devem se acertar. Isso é muito importante, pois se apenas um dos lados cede, dá-se o domínio de uma das partes, o que poderá criar uma área de atrito permanente.

É uma sociedade que se cria, e como tal deve ser tratada.

E quando se está vivendo um relacionamento de longa data, é gratificante olhar para trás, e chegar à conclusão de que foi possível estar nesse ponto, porque tiveram o discernimento, o senso de equilíbrio de fazer as mudanças necessárias em tempo hábil.

E que realmente o que os une é um amor real e verdadeiro, que superou todas as intempéries da vida, conduzindo-os a um ponto de equilíbrio, que só foi possível pelo respeito mútuo e pelo acerto das arestas e pontos de desgaste que surgiram no início do relacionamento.

As mudanças lembradas por Moliere possibilitaram isso.

Esperando que tais lembretes possam ser úteis a alguém, desejo a todos  UM LINDO DIA.

 Marcial Salaverry

27/01/2014

Reflexão da Semana


Amizade Amorosa

É possível viver uma amizade sem amor,
mas viver um amor sem amizade,
é algo que não tem muita durabilidade...
Você quer ter uma amizade amorosa?
É preciso saber ser amigo, certamente...
É preciso saber respeitar a palavra "Amizade"..
Porque a amizade é coisa
mais importante de nossa vida...
É preciso também, saber amar as pessoas...
Não é simplesmente o amor,
porque é muito fácil amar-se alguém...
É preciso saber viver o amor amizade,
o amor que, não importa como,
será a coisa mais importante de nossa vida...
Portanto amigo, é assim que são as coisas...
Não é possivel viver um amor amizade,
sem "saber viver"...
É importante, principalmente, saber dialogar...
Primeiro ouvir, e depois falar...

Marcial Salaverry

Tudo Na Vida É Uma Questão De Opinião

Temos nossa opinião sobre tudo, ou quase tudo na vida...
Apenas temos de analisá-la, para ver se é o jeito certo.
Meditar, analisar, e então executar...
Osculos e amplexos,
Marcial
*****
Tudo na vida é mesmo uma questão de opinião, inclusive entender que existe algo que sempre coordena nossa vida. Igualmente é verdade que é  nossa opinião, nosso livre arbítrio, que nos faz decidir o que, e como fazer, e como direcionar o rumo a seguir em nossa caminhada, para não perdermos o prumo.

Devemos sempre procurar alternativas, ouvir opiniões, pesar prós e contras, mas sempre deveremos ter nosso ponto de vista sobre o que vamos fazer. Ouvir opiniões, considerar opiniões alheias, é uma coisa que devemos fazer, pois  é sinal que sabemos usar o discernimento, mas a escolha final deverá ser nossa, após bem pesarmos prós e contras...

Realmente, somos livres pra escolher, porém, como somos aprendizes em fazer tais escolhas, precisamos tomar certos cuidados para não nos deixarmos prender a elas, sem analisá-las detidamente, saindo da ignorância, e não nos prendendo a ela.

Certas atitudes ditadas pela teimosia, e não pelo bom senso, mostram alguma intolerância. Perseverança é uma coisa, teimosia é outra. Se alguém nos mostra que nosso caminho é errado, devemos parar para pensar e analisar. Levar algo adiante apenas "para não dar o braço a torcer", é sinal de ignorancia.

Sempre seremos responsáveis por nossas ações e antes de agir ou mesmo antes de pensar, podemos já ter feito escolhas entre diversas opções, mas deveremos ficar abertos a novas possibilidades, pois sempre alguém poderá nos mostrar algo novo, e talvez melhor. Há que se analisar as possibilidades.

As melhores escolhas são feitas quando conseguimos analisar todas as opções, entendendo que algo de novo sempre pode surgir. É preciso que saibamos nos colocar também do outro lado, para poder ter um enfoque melhor daquilo que pretendemos fazer. Sempre estamos sujeitos a novos aprendizados, a novas avaliações em nossas idéias, modificando-as se houver uma possibilidade de melhorar o caminho, ou as corrigindo se julgarmos melhor uma retomada de posição. Sempre é bom aproveitar para aprender também com a experiência alheia. Assim, desde que possamos nos colocar no lugar do outro, poderemos aprender, e quem sabe, aperfeiçoar nossas idéias.

Precisamos sempre ter presente que as opções que conhecemos não são as únicas, e é por isso que precisamos de amigos, que poderão nos trazer outras opções para nosso desenvolvimento.

Aprender que a característica principal da amizade é a possibilidade de facilitar as coisas para as pessoas que sabem manter a mente aberta para novos conhecimentos, desenvolvendo melhor seus projetos.

Efetivamente, somos responsáveis por nosso pensamento, e nosso destino, mas não será mostra de irresponsabilidade o fato de nos basearmos em opiniões alheias, pois, na realidade, a escolha foi nossa, e se houve influência é porque permitimos que ela existisse da maneira que ela existiu e da fonte de onde ela partiu. Foi por nossa escolha mesmo a ajuda escolhida e poderemos  mudá-la, segundo for mais conveniente.

Não apenas nas questões da vida em si, também os preconceitos dependem de nossas próprias escolhas.

Preconceitos que poderão nos levar a algumas atitudes erradas, porque nos deixamos dominar por idéias preconcebidas, ao invés de pensar com a alma solta.

Podemos ou não achar que será melhor conhecer algo a partir da experiência de outra pessoa, mas não podemos nos esquecer de que que somos livres para experimentar e examinar tudo, através de nossa experiência pessoal. Com toda a certeza, sempre que nos negarmos a novas experiências, nos bitolamos em idéias que talvez sejam ultrapassadas.

Só poderemos saber se será válida ou não uma mudança, se a estudarmos devidamente, e mesmo assim constatarmos que nosso pensamento é realmente o melhor a ser feito. Nesse caso, poderemos continuar pelo mesmo caminho.

Temos todo direito à liberdade de atos e opiniões, e isso é determinado pela força criadora que todos temos dentro de nós.

Podemos e devemos nos sentir livres para examinar as possibilidades, chegando às nossas próprias conclusões. E se os fatos constatados nos levarem a mudar projetos, isso não significa que não soubemos planejar, mas sim, que tivemos o bom senso para usar nosso livre arbítrio, mudando algo que não estava certo. É onde não cabe a teimosia de pessoas que jamais mudam de opinião, mesmo vendo a casa cair, pensando estar defendendo sua personalidade. Na realidade, apenas estão sendo teimosamente ineficientes.

Bem a propósito, um pensamento de L'Inconnu, que cai como uma luva...
"Ainda que seguindo opiniões diferentes das suas próprias, isto não distancia a pessoa de você, somente agrega novas opções que você pode usar se souber respeitá-las." 

Algo que deve ser opinião unanime, é a necessidade de termos UM LINDO DIA.


26/01/2014

Conheça Santos

Venha conhecer Santos... Realmente vale a pena...
Suas praias, seus jardins, suas belezas...
E alguns poetas...
Osculos e amplexos,
Marcial
****
  
Quem vem a Santos passear,
apenas a praia quer frequentar...
Seus jardins são passagem obrigatória...
Mas... E sua história?
Todos vão ao Aquário,
e também ao Orquidário...
Mas ficam sem a história conhecer,
e realmente, há muito que saber...
As ruínas encravadas na saída do túnel,
representaram na história seu papel...
O Panteão dos Andradas,
Outeiro de Santa Catarina,
locais conhecidos de poucos santistas,
que dirá dos turistas...
E fazem parte da história,
contam de Santos sua glória...
Igreja do Carmo, Alfândega de Santos,
e seus belos portões, tão lindos quando fechados,
mas isso apenas nos domingos e feriados...
Igreja do Valongo, quanta história nos conta...
Suas imagens com ouro e pedras preciosas engastadas,
tem proteção especial para não serem roubadas...
E o agora famoso prédio da Bolsa do Café...
Totalmente restaurado,
é um marco das glórias de um recente passado...
Quente ou gelado, toma-se o melhor café
que se pode provar no mundo...
Lá, a história foi preservada,
e totalmente respeitada...
Há que se visitar, para jamais esquecer...
O futebol também tem seu Museu,
exaltando as glórias do time do Pelé,
da cidade, o clube de fé.
Os jardins de Santos, além de sua beleza natural,
através de seus monumentos, também contam a história,
pois sempre lembram alguém que guardamos na memória...
Martins Fontes e seus cravos na lapela, sempre renovados,
Vicente de Carvalho, Bartolomeu, e tantos sempre lembrados...
E o passeio de bonde, não podemos deixar de fazer,
pois é uma linda volta ao passado, que não se deve esquecer...
Quando Santos novamente visitar,
venha também sua história honrar...
Não fique apenas na praia, e tenha a felicidade
de conhecer este outro lado de nossa cidade...

Esta homenagem a Santos, é feita por um
PAULISTANO SANTISTA
Marcial Salaverry

 
Paulistano de nascimento,
santista de coração...
Essa a situação...
Em São Paulo nasci,
vivi, cresci,
e até me casei...
Mas para Santos mudei,
e esta cidade adotei...
Aqui meus filhos criei...
Por aventura, ou por necessidade,
tentei mudar de cidade,
mas acabei voltando,
e por aqui ficando...
Cidade gostosa de viver,
e mais ainda, de reviver,
basta saber entender
e realmente querer
se adaptar, para aqui permanecer...
Santista verdadeiro,
é aquele que ama a cidade por inteiro,
seja aqui nascido,
ou de outras plagas chegado,
sempre bem recebido,
bem tratado e respeitado...
Assim é esta Santos,
com seus jardins maravilhosos,
e outros passeios gostosos...
Os bosques do Orquidário,
as atrações do Aquário,
sempre a todos encantando,
e aqui se apaixonando...
As praias então, é covardia,
passeio obrigatório de todo dia...
Cidade plana, ideal para caminhadas,
acalmando pessoas estressadas...
Vendo todos estes dados,
concluímos ser Santos,
o Paraíso dos Aposentados...

Marcial Salaverry